Tumor renal entenda a evolucao desse cancer

O trato urinário é local de inúmeras doenças no ser humano, e dentre elas, o câncer é responsável por importantes taxas de incidência e mortalidade. O tumor renal é a terceira neoplasia do sistema genitourinário e é um dos que têm maiores índices de mortalidade quando não tratado a tempo. 

De acordo com a American Cancer Society (ACS) estima-se mais de 70 mil novos casos neste ano nos Estados Unidos. A estatística do instituto americano revelou que desse número, aproximadamente 15 mil pessoas vão morrer devido ao câncer de rim em 2019. 

Em termos de Brasil, o Instituto Nacional do Câncer (INCA) apontou acometimento dessa doença bastante perigosa em quase 4 mil homens e 3 mil mulheres em 2018.

O que é tumor renal?

Segundo o INCA, no biênio de 2018-2019, a cada ano vão surgir 600 mil casos de câncer  dos mais variados tipos. O câncer de próstata é de longe o mais comum (o ano passado apresentou mais de 68 mil casos no país).

Embora o câncer renal ocupe a terceira posição em termos de frequência na urologia (atrás do câncer de próstata e câncer de bexiga), ele é considerado o mais perigoso e letal do sistema genitourinário. O câncer se forma quando as células renais crescem de forma desordenada.   

Há diversos tipos de tumores renais, formados pelas mais variadas células presentes no órgão. O mais comum é o chamado carcinoma de células renais do tipo células claras. Conhecer cada um deles é importante para determinar os riscos da doença, desde o seu  desenvolvimento e capacidade de gerar metástases, bem como formas de tratamento e probabilidade de sucesso.

Outros tipos de tumores renais: 

  • Cromófobo
  • Carcinomas:
    • Papilífero tipo 1 e tipo 2;
    • Cístico multilocular;
    • Medular;
    • Ducto coletor;
    • Mucinoso tubular;
    • Carcinoma associado a neuroblastoma.

O que causa tumor renal?

Não existe um causa específica para o surgimento do tumor no rim, mas alguns fatores de riscos são mais evidentes, como: 

  • Tabagismo;
  • Hipertensão;
  • Obesidade;
  • Longevidade;
  • Exposições a substâncias nocivas;
  • Realização de diálise por longo período.

 O tumor renal também é mais incidente em homens e algumas condições hereditárias raras podem determinar o surgimento de um nódulo. 

Tumor renal: sintomas

No tumor renal, sinais e sintomas podem ficar velados por muito tempo. Atualmente, a maioria dos casos são descobertos durante a realização de exames de imagem de rotina ou check-up. 

Apenas em casos mais graves pode surgir sintomas como dor abdominal e/ou lombar, inchaço, perda de peso e sangue na urina.

Buscar o tratamento quando o tumor está em fases iniciais permite mais chances de cura.

Tumor renal benigno: sintomas 

Há também tipos de tumores renais que não são malignos. Pertencem a um grupo de células que podem crescer mas não tem a capacidade de provocar metástase. Estes tumores não são frequentes e alguns podem ser confundidos com os tumores malignos (carcinomas), muitas vezes necessitando de remoção cirúrgica para ter certeza do diagnóstico. 

Os principais são:

Adenoma renal: esse é o tumor renal benigno mais comum, que é descrito como um pequeno nódulo no rim de crescimento lento;

Oncocitomas: podem crescer bastante, em alguns casos são confundidos com carcinomas mas não se espalham para outros órgãos;

Angiomiolipoma: tumor formado por vasos sanguíneos, gordura e músculo, podem se desenvolver em qualquer pessoa.

A grande maioria dos tumores benignos é assintomática, assim como os tumores malignos nas fases iniciais.

Tumor renal: estadiamento     

Esse é um processo para medir o comprometimento do câncer no organismo do paciente.

Deve-se avaliar o tamanho da lesão no rim, se há comprometimento de linfonodos na região e finalmente, se há metástases à distância, em outras partes do corpo. O estadiamento recebe o nome de TNM.

Estádio T

T1: neste estádio, o tumor está confinado ao rim, e tem até 7 cm.

T2: ainda confinado ao rim, esse tumor já tem mais de 7 cm.

T3: neste estágio, o tumor já avançou para os tecidos ao redor do rim.

T4: metástases/invasão de órgãos adjacentes, como intestino, fígado, etc.

Estádio N

N1: presença de linfonodos invadidos.

Estádio M

M1: metástase em órgãos, como pulmão, fígado e ossos.

Tratamento do câncer de rim

Para cada estádio do câncer, o médico vai determinar um tipo de tratamento, com bases no exame físico, exames laboratoriais e de imagem. 

Em casos de tumores pequenos, em idosos ou pessoas com outras doenças graves, uma medida é o monitoramento contínuo para avaliação constante, porque esses tumores podem ter crescimento lento ou até nem crescer.

Mas em princípio, a primeira medida para os variados estágios do câncer é retirar o tumor de forma cirúrgica.

Para a maioria dos casos, pode ser realizada a nefrectomia parcial – remoção de parte do rim – com cirurgia aberta, laparoscópica ou robótica. 

Em casos selecionados, para pacientes com alto risco cirúrgico, as terapias ablativas (radiofrequência e crioterapia) são boas opções para o tratamento de tumores pequenos. Nestas modalidades, os tumores são alcançados por meio de agulhas cirúrgicas e destruídos com o calor ou frio. 

A retirada completa do rim é indicada quando estamos diante de um grande tumor, ou quando o mesmo acomete regiões nobres do rim, tais como vasos sanguíneos, pelve e seio renal. Já nos casos avançados, o tratamento vai além do controle do tumor renal primário, podendo ser indicado também um tratamento imunológico e terapia antiangiogênica.

Tumor renal: entenda a evolução desse câncer

× Marcar uma consulta!
Agende online Agende Via WhatsApp

Agende sua consulta Online ou via WhatsApp