Ureterolitotripsia quando e indicado realizar essa cirurgia

A ureterolitotripsia é uma das abordagens de tratamento para um paciente com cálculo renal impactado no canal que liga o rim à bexiga, o ureter.

Método minimamente invasivo, a cirurgia ureterolitotripsia pode ser indicada de forma emergencial para promover grande alívio nos sintomas da cólica renal.

Vamos entender ureterolitotripsia, o que é, como é realizada e o procedimento pós-operatório?   

O que é ureterolitotripsia?

A ureterolitotripsia endoscópica é um procedimento para o tratamento de cálculos ureterais. Sem exigir nenhum tipo de incisão, essa intervenção cirúrgica é indicada para remover pedras que estão localizadas no ureter, obstruindo o rim, de forma que não conseguem ser eliminadas naturalmente pelo corpo. 

Com uma câmera na ponta, o aparelho entra pela uretra, passa pela bexiga e entra no canal ureteral. Após identificação do cálculo, fragmenta com laser e remove os pequenos pedaços com auxílio de uma pinça em forma de cesta. 

Esse procedimento vem sendo utilizado há muito tempo e é considerado a primeira escolha (com eficácia superior a 90%) quando o assunto é o tratamento de cálculos impactados no ureter.

Em alguns casos, a impossibilidade de eliminação do cálculo pode provocar retenção de urina, alteração de funcionamento e infecção no rim, gerando duas condições clínicas potencialmente graves: a insuficiência renal aguda e a pielonefrite aguda. Nestes casos, a desobstrução do rim é primordial e deve ser feita o mais rápido possível. 

Ureterolitotripsia rígida 

É realizada com uma câmera rígida (ou ureteroscópio semirrígido) que não permite curvas. Portanto, é indicada para  cálculos que estão no ureter, especialmente na sua porção mais baixa. Atualmente, a ureterolitotripsia a laser é a mais utilizada.

Ureterolitotripsia flexível  

A ureterorrenolitotripsia ou ureterolitotripsia flexível consiste no procedimento realizado com o ureteroscópio flexível, aparelho longo que permite navegação através de todo o trato urinário. 

O procedimento inicia-se de forma semelhante à ureterolitotripsia rígida, mas a diferença, neste caso, é que o ureteroscópio flexível consegue acessar áreas mais altas e tortuosas do aparelho urinário, como por exemplo, a pelve renal e seus cálices. A forma de energia utilizada neste caso é sempre o laser.

Ureterolitotripsia transureteroscópica com Duplo Jota

Após a cirurgia ureterolitotripsia a laser (rígida ou flexível), é muito comum a colocação de um dreno interno, o Duplo Jota.

O catéter Duplo Jota é um túbulo flexível feito de silicone. Uma das suas extremidades será inserida na pelve renal e a outra na bexiga. 

A principal função desse stent é impedir que no pós-operatório da ureterolitotripsia haja obstrução do canal devido à inflamação gerada pela presença do cálculo e também pela manipulação cirúrgica, bem como para facilitar a saída dos cálculos residuais fragmentados que ainda estejam no organismo do paciente.

O tempo de permanência do catéter dentro do organismo pode variar em dias ou alguns meses. Essa decisão dependerá dos aspectos observados durante e após a cirurgia.

Em alguns casos, a passagem do Duplo Jota precede a ureterolitotripsia. As principais indicações para o uso do catéter Duplo Jota neste cenário, são:

  • Infecções renais graves com cálculos no ureter;
  • Alterações clínicas graves (insuficiência renal aguda) com cálculos no ureter;
  • Cálculos muito altos, em que o ureteroscópio flexível não está disponível.

Ureterolitotripsia: quanto tempo demora?

O tempo médio do procedimento pode variar de alguns minutos a 2 horas.

Realizada sempre em ambiente hospitalar, a cirurgia pode ser efetuada com anestesia raquidiana associada à sedação anestésica ou anestesia geral. O paciente fica anestesiado durante todo o procedimento, não sente dor alguma.

A retirada do cateter Duplo Jota costuma ser simples e mais rápida. Em alguns casos, é possível retirar no próprio consultório médico. A retirada endoscópica é procedimento de pequeno porte, realizado no centro cirúrgico. O paciente recebe anestésicos sedativos e o catéter é retirado através da cistoscopia com materiais especiais e recebe alta algumas horas após.

Ureterolitotripsia: pós-operatório

A recuperação da ureterolitotripsia não costuma ser complicada. Para entender melhor acesse nossas orientações pós operatórias AQUI.

Após a alta hospitalar, o paciente deverá ingerir de forma regular todos os medicamentos prescritos em receita médica. Na maioria das vezes serão necessários antibiótico, analgésicos e anti-inflamatórios.

As micções poderão ser dolorosas (ardência) e revelar presença de sangue. Além disso, cólicas renais mais brandas também são comuns, principalmente se o paciente estiver portando o catéter Duplo Jota. 

O repouso pós operatório é importante. Para a ureterolitotripsia, o tempo de recuperação é curto, podendo voltar a realizar atividades sexuais e físicas leves em poucos dias após o procedimento.

Leia também sobre tumor renal.

× Marcar uma consulta!
Agende online Agende Via WhatsApp

Agende sua consulta Online ou via WhatsApp